Homenews - homenews.com.br
Astronomia
Quarta - 31 de Julho de 2002 às 13:24

    Imprimir


LONDRES (Reuters) - Um grande asteróide pode atingir a Terra dentro de apenas 17 anos,
destruindo a vida no planeta, afirmou um especialista britânico na quarta-feira. Apesar
dos temores, o pesquisador deixou claro que a probabilidade do evento acontecer é pequena.

O suposto asteróide, possui 2 quilômetros de extensão e pode estar em rota de colisão com a
Terra.

"Objetos desse tamanho apenas atingem a Terra a cada 1 milhão ou 2 milhões de anos", disse
Benny Peiser, um especialista em asteróides da Universidade John Moore, na Grã-Bretanha.

"No pior dos cenários, um desastre dessas proporções teria dimensões globais, destruiria
nossas vidas econômica e social e nos faria ingressar em uma era das trevas", declarou Peiser
à Reuters.

"Se ele atingisse a Terra, provocaria uma explosão de escala continental. Mas as chances de
isso acontecer são remotas."

O asteróide, batizado de 2002 NT7, foi visto pela primeira vez no começo deste mês pelo programa
norte-americano Linear, de vasculhamento do céu.

Peiser disse que, desde então, cientistas da Nasa (agência espacial dos EUA) e da Universidade
de Pisa (Itália) realizaram cálculos para descobrir a probabilidade do impacto e a data provável
dele a fim de avaliar os riscos representados pelo asteróide.

Os cálculos mostram que o 2002 NT7 pode atingir a Terra no dia 1o de fevereiro de 2019.

Mas o especialista e colegas dele afirmam ter quase certeza de que esse cenário de pesadelo
não se concretizará.

"Essa coisa é a maior ameaça já catalogada, mas a escala em termos de ameaça continua a mudar",
disse Peter Bond, porta-voz da Sociedade Astronômica Real.

"A probabilidade de ocorrer um impacto é menor do que 1 em 1 milhão, mas, como a data do
eventual impacto está perto -- de apenas 17 anos -- e o objeto é muito grande, o risco foi
avaliado como existente segundo a Escala de Palermo", afirmou Peiser. É a primeira vez que
isso acontece, acrescentou.

O cientista declarou, porém, que o 2002 NT7 deve continuar a ser monitorado e que, dentro
de alguns meses, provavelmente, o risco de um impacto será descartado.









URL Fonte: http://homenews.com.br/noticia/15/visualizar/