Homenews - homenews.com.br
Tecnologia
Quinta - 19 de Fevereiro de 2004 às 10:05

    Imprimir


_________________________________________________________________



Las Vegas, a capital do entretenimento nos EUA, foi, até domingo, palco da 80ª Convenção e da enorme feira da Photo Marketing Association International (PMAI). Ligada aos segmentos da fotografia, a PMAI mostrou que o consumo de câmeras digitais deve atingir 60 milhões de unidades em 2004 - 14,4 milhões a mais do que foi vendido no mundo no ano passado.

A maioria das 800 empresas expositoras apresentou câmeras de todos os tamanhos, com resoluções entre 4 e 8 megapixels - que privilegiam a qualidade da imagem, acima de tudo. Há três anos, câmeras com 2 megapixels custavam US$ 300. Hoje já podem ser adquiridas por menos de US$ 100. "Isso é um estímulo para os mais de 60 mil visitantes da feira", comenta Bob Durante, especialista no assunto.

O crescimento de mercado acima de 15% anuais

Em 2008, serão comercializados mais de 82 milhões de câmeras - deixando para trás os equipamentos convencionais que usam filmes de 35 mm. "É incrível a aceitação das câmeras digitais. Elas tornam as pessoas fotógrafos em potencial pois simplificam o ato de fotografar", diz Durante.

Assim, hoje é difícil tirar fotos em que desaparecem cabeças, pés e mãos, como nos velhos aparelhos compactos. Com a câmera digital, o fotógrafo amador ou iniciante capta as imagens e as vê imediatamente no visor de cristal líquido.

E o que vai acontecer com os equipamentos convencionais? A venda de filmes 35 mm caiu cerca de 20% e a Eastman Kodak anunciou que pretende parar de vender câmeras com filme nos EUA e na Europa. "Isso sugere claramente que o futuro do filme tradicional já está traçado", avalia Durante.

Batalha de estrelas

Nos palcos armados na PMAI, muitas câmeras digitais mostraram suas qualidades. Uma delas, a D70, da Nikon, chamou a atenção por ser um modelo Single Lens Reflex (SLR). Isso significa que funciona como uma câmera convencional e espelhos garantem uma boa captação de imagem.

Seus 6,1 megapixels de resolução são aliados a foco automático e manual, exposições programadas e objetiva zoom 18-70 mm - da nova safra de lentes da Nikon. As imagens são gravadas em cartões CompactFlash e o flash embutido permite que o modelo seja utilizado até em delicadas fotos em close.

A FinePix A340, da Fujifilm, embora pequenina, tem 4 megapixels de resolução e zoom de 114 mm. Usa pilhas alcalinas comuns que possibilitam tirar até 220 fotos, de acordo com a fabricante.

Na Kodak, a estrela foi a DX7630 de 6,1 megapixels. Além do conjunto de lentes da alemã Schneider-Kreuznach Variogon, com zoom de três e quatro vezes, tem exposição automática para grande variedade de temas - como textos, documentos, crianças, paisagens e outros.

Com 4 megapixels de resolução, um dos destaques da Olympus é a Camedia C-770 Ultra Zoom. Um software proprietário, o Master Software, permite que se façam tomadas panorâmicas. Na hora de ver as fotos, o sistema TruePic Turbo Image Processor melhora sensivelmente sua qualidade e as grava no cartão xD em segundos.

Como a onda é aumentar os pixels, a japonesa Casio colocou sob os holofotes a QV-R51, de 5 megapixels - com flash embutido, foco manual ou automático e velocidade de 4 a 2.000 de seg. Além da memória interna de 10 MB, usa cartões SD e MMC, tem flash embutido e foco manual ou automático.

Destacou-se ainda a Digimax V50, da Samsung: 5,1 megapixels e possibilidade de o fotógrafo indicar o modo de exposição preferido.





Agência Estado




URL Fonte: http://homenews.com.br/noticia/2011/visualizar/