Homenews - homenews.com.br
Ciência
Quarta - 28 de Abril de 2004 às 11:39

    Imprimir


__________________________________________________________________



A choradeira provocada ao descascar uma cebola e o mau hálito decorrente de sua ingestão podem estar com os dias contados. Pesquisadores da Embrapa Semi-Árido, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, em Pernambuco, desenvolveram uma variedade de cebola com baixo teor de acidez e que, por isso, não provoca os famigerados efeitos colaterais da popular hortaliça.

“Utilizando o método de melhoramento genético conhecido como seleção recorrente, conseguimos formar uma nova geração de cebola, com bulbos com teor de ácido pirúvico abaixo de 1,5 milicromol por mililitro”, disse Carlos Santos, pesquisador do Laboratório de Genética da Embrapa Semi-Árido. O ácido pirúvico é o grande responsável pelo sabor picante da cebola.

De acordo com Santos, por ser 'doce' a nova variedade pode ser comida crua, o que permite preservar as vantagens fitoterapêuticas e medicinais da cebola. “Ao consumir a cebola sem cozinhar, o organismo pode se beneficiar de substâncias que ajudam a reduzir os riscos de entupimentos das veias do coração e de doenças cardiovasculares”, disse Santos. Outra vantagem é poder ingerir os agentes antioxidantes presentes na hortaliça, que se perdem no cozimento.

Os tipos de cebola doce disponíveis atualmente no mercado brasileiro são derivados de sementes importadas dos Estados Unidos. O desenvolvimento de uma variedade brasileira, segundo o pesquisador da Embrapa Semi-Árido, traz vantagens significativas para o setor agrícola. Com a cebola doce nacional, o país, além de economizar divisas ao deixar de importar, também poderá correr menos riscos de sofrer com a ação de pragas, uma vez que o material importado é bem mais susceptível a doenças.

De acordo com Santos, as sementes devem estar disponíveis para o plantio no Brasil em meados do ano que vem. A meta é que, dentro dos próximos 14 meses, sejam produzidas de cinco a dez quilos de sementes brasileiras. “O objetivo é que a produção nacional da cebola possa substituir as importações, principalmente em regiões como Bahia, Pernambuco e Minas Gerais”, disse.





Agência Fapesp




URL Fonte: http://homenews.com.br/noticia/2253/visualizar/