Homenews - homenews.com.br
Arqueologia
Quinta - 14 de Novembro de 2002 às 11:12

    Imprimir


Paris (France Presse) - Cientistas russos confirmaram o caráter recente do Santo Sudário, a relíquia católica conservada na catedral de Turim (norte de Italia) desde 1578, e reafirmaram que o tecido teria sido fabricado na Idade Média.

Em 1988, a pedido do Vaticano, três laboratórios independentes de Oxford (Reino Unido), do Arizona (Estados Unidos) e de Zurique (Suíça) analisaram o tecido e chegaram à conclusão de que a peça de linho foi fabricada durante um período compreendido entre 1262 e 1384.

No entanto, em abril desse ano, dois cientistas russo, Anatoliy Fesenko --especialista forense do Serviço de Segurança Federal russo-- e Alexander Belyakov --diretor do Centro Russo para o Sudário de Turim--, indicaram que o estudo de 1988 apresentava falhas.

Eles afirmaram que o tecido do século 16 foi contaminado com óleo vegetal (azeite de oliva ou de linhaça), usado na Renascença para restaurar a peça danificada pelo fogo. Isso teria deixado traços de óleo no tecido que distorceram em 1.300 anos a datação do carbono.

Só que, de acordo com outra equipe russa, Fesenko e Belyakov também fizeram os cálculos errados.

A dupla, de acordo com este segundo estudo, aparentemente não levou em consideração as diferentes taxas existentes entre dois isótopos, o carbono 14 e o carbono 12, no óleo vegetal. Como resultado, a contaminação por óleo alteraria apenas a datação em apenas quarenta anos, no máximo.

A nova pesquisa foi publicada por Dmitry Voronov, da Academia Russa de Ciências, e Vladimir Surdin, do Instituto Shternberg de Astronomia.

"A pesquisa dos dois autores é baseada no erro do trabalho matemático e na patologia", explica Elena Krasnova, da agência de notícias "Informnauka".

Para os cristão, o Santo Sudário envolveu o corpo de Jesus após sua crucificação. Ele é citado em inúmeros documentos históricos somente a partir de meados do século 14, data que foi confirmada pelos analistas que o analisaram com carbono 14 na pesquisa de 1988.

Os estudiosos católicos alegam, no entanto, que a possível contaminação do tecido pode ter falseado os resultados e continuam afirmando que o Sudário é do tempo de Cristo.




URL Fonte: http://homenews.com.br/noticia/414/visualizar/