Homenews - homenews.com.br
Tecnologia
Terça - 28 de Janeiro de 2003 às 15:33

    Imprimir


WESTMINSTER, Estados Unidos (Reuters) - O veículo de combate blindado médio Stryker move-se com rapidez, contornando árvores e outros obstáculos em território inimigo - mas não há ninguém nos controles.

Trata-se de um veículo robotizado autônomo construído pela General Dynamics, que chega ao destino pré-selecionado usando um conjunto de sensores sofisticados, câmeras infravermelhas e imagens coletadas por satélites, tudo isso atualizado por um planejador de missões de alta potência, 10 vezes por segundo.

O veículo pode detectar alvos inimigos a entre dois e três quilômetros - e assim que recebe autorização do comandante, localizado à distância, é capaz de lançar um poderoso míssil antitanque Javelin.

"Isso tudo está dando às forças armadas a capacidade de substituir os seres humanos nas missões consideradas sujas, perigosas e tediosas'', disse Scott Myers, vice-presidente da Eagle Enterprise, a divisão da General Dynamics que desenvolve o Stryker, além de aplicativos comerciais como uma farmácia automatizada e equipamento de separação de correspondência.

"A missão de reconhecimento é um bom exemplo. É provavelmente uma das mais perigosas que existe'', disse ele em entrevista, lembrando que a perda de um veículo de patrulha robotizado seria mais fácil de justificar que a morte de um soldado.

Novos veículos de combate como o Stryker são parte da tentativa das forças armadas dos Estados Unidos de se transformarem em uma organização mais veloz e mais móvel, para enfrentar as novas ameaças que existem no mundo.

Os Strykers robotizados podem transportar dois soldados cada, os quais terão a capacidade de controlar até 10 outros veículos aéreos e terrestres não-tripulados, de seus centros de comando dotados de três telas, na traseira de cada veículo.

O Exército dos Estados Unidos planeja colocar veículos robotizados autônomos como o Stryker em operação já em 2008.

Myers disse que basta uma semana para treinar soldados no uso dos Strykers robotizados, e de seus centros de comando, já que os controles se assemelham aos de videogames que a maior parte dos soldados jovens estão acostumados a jogar.

Veículos não-tripulados como o avião de espionagem Predator, construído pela General Atomics Aeronautical Systems, e o Global Hawk RQ-4, um aparelho de observação em altitude elevada produzido pela Northrop Grumman, já desempenharam um papel na guerra do Afeganistão.

Mas Myers não acha que o Stryker será usado no Iraque, se houver guerra este ano, pelo menos até que novos testes de campo sejam concluídos. Ele afirma que a robótica desenvolvida para o Stryker é apenas a ponta do iceberg.

No futuro, ele afirma, os militares dos Estados Unidos poderão usar veículos robóticos para logística, como transporte de munição e mantimentos para tropas nas linhas de frente. Tais veículos poderão ser usados também para purificar água para os soldados beberem em situações de combate, o que exigiria menos transporte de suprimentos.

A companhia de Myers também está desenvolvendo equipamento especializado para soldados, incluindo trajes que medem os batimentos cardíacos, geram calor e ajudam a traçar sua exata localização no terreno.







URL Fonte: http://homenews.com.br/noticia/713/visualizar/