Homenews - homenews.com.br
Informática
Sexta - 11 de Abril de 2003 às 15:32

    Imprimir


Por Rodrigo Dutra, do HomeNews

Um grupo de peritos em tecnologia está relatando, em suas recentes análises, que a segurança dos produtos Microsoft é classificada como “um fator preocupante”. Mas, criando um paradoxo, estes mesmos analistas também procuram passar algum crédito para a marca pelos desenvolvimentos alcançados no seu campo de atuação. Estas considerações estão em um estudo encomendado pelo grupo Forrester Research.

O relatório, intitulado “Produtos Microsoft podem ser considerados seguros?”, foi elaborado por 35 profissionais de TI (tecnologia da informação) que trabalham para companhias com rendimento anual de, pelo menos, US$ 1 bilhão. A estes senhores foi questionado suas impressões sobre os produtos criados pela equipe de Bill Gates.

Setenta e sete por cento destes inspetores experimentaram problemas com o Windows ao longo do último ano. Eles dizem que o fator segurança é uma fonte constante de preocupação quando desenvolvem aplicações no sistema, segundo a Forrester.

Mas esta questão de confiabilidade não impediu a continuação das suas análises, classificadas como críticas, sobre o sistema operacional da Microsoft. Oitenta e nove por cento destes administradores de TI disseram que são dependentes da plataforma: aplicativos para transações financeiras e registros médicos dependem do Windows para seu funcionamento padrão.

Enquanto as deficiências dos produtos Microsoft estão freqüentemente ganhando manchetes, a “gigante do software” merece mais crédito do que realmente possui, devido aos seus esforços para melhorar a segurança de suas mercadorias, de acordo com Laura Koetzle, analista sênior da Forrester Research.

Na tentativa de desfazer alguns rumores sobre a qualidade final de seus trabalhos, a Microsoft começou a fornecer plug-ins que podem detectar defeitos nas operações do Windows, assim como estes mini-programas foram desenvolvidos para educar seus próprios engenheiros contratados na questão de segurança para software e suas respectivas codificações. Segundo Koetzle, estas são apenas duas amostras positivas da companhia mediante a situação.

“Obviamente, ninguém alcança a perfeição, mas a Microsoft está fazendo um bom trabalho agora e se empenhando para melhora-lo no futuro”, acrescentou Koetzle.

A questão atual para a empresa é a de melhoria de gerenciamento dos patches de segurança. Assim como pode ser considerado um passo a frente no quesito segurança, a tentativa da companhia de lançar ferramentas de fácil utilização para consumidores que desejam trabalhar com programas Microsoft ou apenas querem codificar sua área de trabalho do Windows. A regra que vale nestes casos, segundo analistas: quanto mais fácil for operar um sistema, mais seguro ele será.

A Microsoft respondeu positivamente sobre o documento distribuído pela Forrester Research. “Eu achei o documento bastante relevante”, disse Mike Nash, vice-presidente da unidade de segurança para software da Microsoft.

Nash garantiu que vai passar a relatar publicamente as vulnerabilidades dos produtos Microsoft, assim como aconselha as pessoas a utilizar o Windows Update Center, que sempre está atualizado para o download de arquivos de segurança.




URL Fonte: http://homenews.com.br/noticia/957/visualizar/