Homenews - homenews.com.br
Ciência
Segunda - 08 de Dezembro de 2003 às 10:53

    Imprimir


_________________________________________________________




A Europa Ocidental poderá ficar mais fria com o aumento do aquecimento global, dizem cientistas e ambientalistas. O processo de derretimento do gelo ártico já reduziu a temperatura das correntes oceânicas que garantem o tempo ameno no continente. Se a calota da Groenlândia e do Pólo Norte continuarem a se desfazer no ritmo atual, os termômetros europeus entrarão em queda brusca nos próximos 50 anos, alertam os especialistas.

"Para mitigar o avanço, o aumento e a aceleração desse aquecimento seria preciso medidas radicais, muito mais ainda do que o Protocolo de Kyoto está propondo", disse Jonathan Bamber, da Universidade de Bristol, um dos pesquisadores que participaram essa semana da conferência das Nações Unidas sobre o tema, em Milão. Segundo ele, o incremento do fluxo de água das regiões árticas poderá reduzir a velocidade ou até mudar o curso da Corrente do Golfo. A corrente leva água quente do Golfo do México para o Atlântico Norte e, com isso, esquenta o clima da Europa.

Além disso, já nos próximos cinco anos, as condições nos Alpes poderão ficar muito mais perigosas, disse Bamber. No verão passado, foi a primeira vez que os picos Matterhorn e Mont Blanc foram fechados por causa do risco de deslizamentos de rochas causados pelo derretimento da neve e do gelo. E durante a onda recorde de calor deste ano no continente 10% do gelo "permanente" dos Alpes italianos derreteu, disse Damiano Di Simine, presidente do escritório italiano da Comissão Internacional para Proteção dos Alpes.

Apesar das previsões pessimistas, o diretor para Políticas de Clima do Greenpeace, Bill Hare, disse que os esforços europeus para reduzir a emissão de gases do efeito estufa são um progresso significativo na implementação de políticas contra o aquecimento global. O Protocolo de Kyoto determina que países reduzam emissões em cerca de 5% até 2012. Para entrar em vigor, o acordo, assinado em 1997, precisa da adesão da Rússia, que ainda não decidiu se vai ratificá-lo.






Agência Estado




URL Fonte: https://homenews.com.br/noticia/1784/visualizar/