Homenews - homenews.com.br
Ciência
Quinta - 08 de Julho de 2004 às 11:55

    Imprimir


________________________________________________________________




Rebecca F. Johnson
Em Nova York para New York Times


Muitos casais aguardam o nascimento do primeiro filho como um momento de grande excitação e de alegria transbordante. Mas poucos se dão conta de que o "momento mágico" do nascimento pode levar a um estado de tensão crescente e de infelicidade no casamento. O nascimento pode ser também um dos principais motivos pelos quais alguns casais se separam após poucos anos de relacionamento.

"As pessoas não fazem idéia de que o nascimento da primeira criança é o maior desafio num casamento", diz Diane Sollee, diretora da Coalizão para o Casamento, Família e Educação para Casais, um grupo formado por terapeutas, pesquisadores e outros interessados em prevenir as famílias contra as separações. "Eles acham que o maior obstáculo é um relacionamento extra-conjugal ou a crise dos sete anos."

A partir de quinta-feira (8/7), na cidade de Dallas, vai acontecer uma conferencia na qual serão debatidas novas descobertas de pesquisadores, que têm estudado os motivos para as separações dos casais e as melhores maneiras para preveni-las.

Entre eles está John Gottman. Ele diz que muitas novas mães - e novos pais - passam por experiências como a depressão pós-parto, irritabilidade crescente, brigas e um sentimento de falta de intimidade, que pode levar à infidelidade.

"É um período muito focado na criança, no qual os relacionamentos são negligenciados", diz Gottman, que é professor emérito de psicologia na Universidade de Washington. Ele fará o relato de pesquisa feita com 82 pares de recém-casados, acompanhados num período de quatro a seis anos, abrangendo tanto momentos anteriores como os posteriores ao nascimento de um bebê.

Dois terços dos 43 casais que tiveram filhos nesse período disseram que houve insatisfação conjugal, até três anos depois do nascimento do bebê, segundo Gottman, que a partir de sua pesquisa criou um programa de técnicas para o casamento. A pesquisa é financiada pelo Instituto Nacional de Sáude Mental.

Pesquisadores atribuem o aumento das crises conjugais a uma série de fatores: colapso na comunicação, falta de habilidade na resolução de conflitos, dificuldades na negociação de responsabilidades e diferenças na maneira de pensar.

Quando os casais estão comprometidos ou recém-casados, o foco está em suas semelhanças, segundo Bob Tures, um dos conferencistas e diretor da organização Strong Families Flagstaff, no estado do Arizona. "Quando esperam seu primeiro filho, as diferenças começam a aparecer."

Quando os amigos e colegas dela começaram a viver essas alterações nos relacionamentos, há 20 anos, Pamela Jordan decidiu se dedicar ao estudo dessa transição. Pamela, que irá apresentar seu programa "Tornando-se Pais e Mães" , diz que todos enfatizam o nascimento em si, sem considerar as formas de lidar com a mudança e com o stress.

"Criar filhos é o trabalho mais difícil que alguém pode ter, e as pessoas tendem a encarar essa situação através de lentes cor-de-rosa, até que chegam ao ponto crucial", diz a pesquisadora.

Mas nem todos os relacionamentos sofrem danos após o nascimento de uma criança. Segundo o professor Gottman, casais em que os parceiros demonstram ter admiração mútua tendem a ter menos hostilidade e menos desprezo em relação ao outro - sentimentos negativos que podem surgir após o nascimento de um bebê.

Wade Horn, secretário-assistente para crianças e famílias no Departamento de Saúde e Serviços Humanos, irá falar na conferência sobre iniciativas do governo Bush nessa área que, segundo ele, incluem o acesso à educação conjugal. Psicólogo, Horn observa que a educação para os pais está freqüentemente disponível nos Estados Unidos, mas que "não temos feito tanto assim no que diz respeito ao casamento em si."

Atualmente, programas como "Tornando-se Pais e Mães", de Pamela Jordan, e "Com o Bebê Somos Três", de John Gottman" não são tão acessíveis. E o sucesso de programas assim precisa ser endossado pela sociedade. Há uma tendência de se esperar até que um casamento apresente problemas, para só então saber como é possível manter o relacionamento forte após o nascimento de uma criança.




URL Fonte: https://homenews.com.br/noticia/2312/visualizar/