Homenews - homenews.com.br
Ciência
Quinta - 04 de Novembro de 2004 às 12:11

    Imprimir


_________________________________________________________________



Os bebês sobrevivem o período imediatamente posterior ao nascimento alimentando-se de suas próprias células, segundo pesquisa do Instituto Metropolitano de Ciência Médica de Tóquio.

Os cientistas afirmam que, imediatamente após o nascimento, bebês enfrentam inanição súbita e severa com a perda do fornecimento de nutrientes da placenta, mas ainda sem terem começado a mamar.

O estudo publicado na revista Nature (www.nature.com)indica que os bebês suprem essa carência quebrando as próprias células, com a liberação de nutrientes essenciais.

A pesquisa foi realizada em ratos recém-nascidos. A equipe de cientistas constatou que um processo celular chamado autofagia começa imediatamente depois do nascimento e se mantém por muitas horas.

Florescente

Durante o processo de autofagia, a célula separa seus próprios componentes em pequenas vesículas digestivas chamadas autofagossomas.

Os pesquisadores desenvolveram uma técnica para monitorar a atividade autofágica, tornando os autofagossomas florescentes.

Eles descobriram que ratos geneticamente desenhados para não formar autofagossomas morreram um dia depois do nascimento.

Os pesquisadores acreditam que a autofagia é essencial para a produção de aminoácidos imediatamente após o nascimento.

Os aminoácidos são usados como fonte de energia ou como blocos para a criação de novas proteínas. Os níveis de aminoácidos nos ratos mortos eram muito baixos.

Inanição

"Para os mamíferos, o nascimento causa inanição severa e inevitável", disse o pesquisador-chefe Noboru Mizushima.

"O fornecimento de nutrientes da placenta é interrompido e os recém-nascidos enfrentam inanição severa até que o fornecimento possa ser restaurado pelos nutrientes do leite".

"Nos resultados sugerem que os mamíferos resolvem esse problema com a degradação autofágica das próprias proteínas, em outras palavras, comendo o interior das próprias células".

"Embora não tenhamos evidência direta de que os bebês humanos fazem a mesma coisa, é muito provável que todos os mamíferos superem essa inanição fisiológica neonatal com a indução de autofagia, pelo menos em parte."

Alguns analistas acreditam que a autofagia, embora tenha um papel chave na limpeza das células, também tem ligações com o desenvolvimento de doenças neurodegenerativas, como o mal de Alzheimer.

Os pesquisadores japoneses acreditam que seu trabalho pode ajudar as pesquisas nessa área.





BBC, em Londres




URL Fonte: https://homenews.com.br/noticia/2627/visualizar/