Homenews - homenews.com.br
Informática
Quarta - 10 de Novembro de 2004 às 10:03

    Imprimir


_________________________________________________________________




A Microsoft pode ter um motivo a mais para preocupações depois do lançamento oficial do browser Firefox 1.0.

Desde fevereiro, quando começaram a circular versões do Firefox, o browser começou a roubar clientes da Microsoft, principalmente por causa dos problemas de segurança que afetam o Explorer.

De acordo com a empresa de monitoramento da internet WebSideStory, o crescente número de usuários do Firefox está pouco a pouco rompendo a hegemonia do Explorer. Até julho de 2004, o Explorer era usado por cerca de 95% dos internautas. Ao final de outubro, essa cifra, que havia permanecido a mesma durante anos, caiu para cerca de 92,9%.

Rivais do Explorer receberam um "empurrãozinho" em junho deste ano quando duas firmas de segurança norte-americanas deixaram de recomendar o uso do programa da Microsoft alegando que ele teria várias brechas de segurança.

'Vantagens'

Entre as possíveis vantagens do Firefox está o fato de que ele permite que diferentes páginas da internet sejam organizadas como atalhos, facilitando a navegação.

Ele também bloqueia pop-ups, tem uma maneira prática de encontrar textos na página e permite que o usuário faça uma busca nas páginas em que já navegou.

O Firefox foi criado pela Mozilla Foundation, empresa desenvolvida em 1998 pelos mesmos fundadores do Netscape.

A empresa é uma organização de código aberto, o que significa que os criadores do browser permitem que usuários manipulem o código do programa.

Isso fez com que o browser adquirisse inúmeras funções adicionais, como uma barra de ferramentas semelhante à do Google e um indicador do Departamento de Segurança Interno americano que avisa usuários do aumento no nível de alerta no país.

O novo browser já conta com diversos e atuantes fãs na Internet. O site Spread Firefox (Espalhem o Firefox) foi criado para angariar US$ 50 mil para pagar por um anúncio do browser no New York Times.

A campanha visava recrutar 10 mil voluntários. Durante dez dias de campanha, 25 mil pessoas já se ofereceram como voluntários e angariaram US$ 250 mil.

O anúncio deve aparecer nas páginas do New York Times ao longo de três semanas entre novembro e dezembro deste ano.



BBC, em Çondres




URL Fonte: https://homenews.com.br/noticia/2642/visualizar/